Verdades e mitos sobre a doa��o de sangue - Projeto Imuno

Verdades e mitos sobre a doa��o de sangue

Verdades e mitos sobre a doação de sangue

Verdades e mitos sobre a doação de sangue
A data 25 de novembro foi escolhida como o Dia Nacional do Doador de Sangue. Doar sangue é um ato voluntário e altruísta que salva vidas, daí, a sua importância. Apesar de todo folclore entorno da doação, o ato é seguro e quem doa uma vez, não é obrigado a doar sempre.

No entanto, é muito importante que pessoas doem regularmente, pois a medicina depende de sangue saudável para curar pacientes.

Para que você seja motivado a voluntariamente salvar vidas, vamos comentar sobre as verdades e os mitos a respeito da doação de sangue. Confira a seguir:

Idosos não podem doar sangue? MITO. A partir de 2013, houve aumento na idade máxima dos doadores de sangue pelo Ministério da Saúde. Hoje, pessoas entre 16 e 69 anos podem realizar o ato de doação.

Pessoas com piercing e tatuagem não podem doar? MITO. Somente pessoas com piercing na região genital (espaço de um ano após a retirada) ou cavidade oral (pois a boca está mais receptiva a infecções do que outras áreas do corpo) não podem realizar a doação. Já as pessoas com tatuagens são indicadas a doar após um ano da realização do desenho, pois é o tempo adequado para manifestações de doenças contagiosas que possam ser transmitidas pela agulha.

O peso influencia na doação? VERDADE. O peso mínio para ser doador voluntário é de 50 quilos.

Gestantes e lactantes não podem doar? VERDADE. Mulheres grávidas ou que estejam amamentando não devem doar. As lactantes devem aguardar 12 meses após o parto. E no período pós-parto, a mulher poderá ser doadora após 90 dias, em casos de parto normal e 180 dias em cesárias.

Descanso e alimentação influenciam na doação? VERDADE. É necessário estar descansado e não ter praticado atividades físicas intensas pelo menos cinco horas antes da doação. Também é preciso estar bem alimentado, com refeições prévias leves e sem gordura. Além disso, é proibido o consumo de bebidas alcoólicas até 24 horas antes da doação.

Doadores podem contrair doenças no ato? MITO. A coleta de sangue dura em média 10 minutos e todo o material utilizado é estéril e descartável. Portanto, não há risco de contrair doenças doando sangue.

O doador pode realizar o ato a cada 30 dias? MITO. A doação de sangue deve realizada com intervalo mínimo de 60 dias para homens e 90 dias para as mulheres. No período de 12 meses, há possibilidade de doação de até quatro vezes por ano, no caso do doador e três no caso da doadora.

É preciso se alimentar após a doação? VERDADE. Após a doação o doador recebe um lanche e informações sobre os cuidados básicos que devem ser tomados após a coleta do sangue.

É necessário estar bem de saúde para doar sangue? VERDADE. Há critérios que permitem ou que impedem uma doação de sangue, determinados por Normas Técnicas do Ministério da Saúde, e que visam à proteção ao doador e a segurança de quem vai receber o sangue. Algumas situações impedem a doação temporária, como febre - acima de 37°C; gripe ou resfriado; o uso de alguns medicamentos; anemias; cirurgias; extração dentária até sete dias; vacinação (o tempo de impedimento varia de acordo com o tipo de vacina); transfusão de sangue (impedimento por um ano).

Saiba que a doação não é um meio para fazer teste para AIDS ou outra doença contagiosa, pois há um período entre a infecção e a sua identificação pelos exames laboratoriais, chamado de janela imunológica (esta pode variar de semanas a meses, dependendo da doença). É que durante o período de janela imunológica os testes laboratoriais revelam-se negativos e o agente infeccioso pode ser transmitido através da transfusão de sangue.

O HEMORIO dispõe de folhetos para divulgação e esclarecimentos sobre doação de sangue, e para obtê-los basta enviar um e-mail para doasangue@hemorio.rj.gov.br ou ligar para (21) 2332-8629. Mais esclarecimentos são fornecidos durante a entrevista clínica que precede a doação. Da sinceridade e consciência do doador pode depender a saúde de quem receberá a transfusão de sangue.

Fontes: Hemorio e ABHH